Make It Clear Brasil

Um apoio ao livre pensamento e a um entendimento do mundo baseado em evidências

Cientistas afirmam ter descoberto o mais antigo esqueleto de primata

O Archicebus achilles em seu habitat natural, conforme imaginado por ilustrador. Ilustração: CAS/Xijun Ni / Divulgação

O esqueleto de uma espécie de primatas até então desconhecida pode explicar o elo perdido entre nossos ancestrais e ajuda a explicar a evolução dos humanos. Descoberta por uma equipe internacional de pesquisadores, a espécie denominada Archicebus achilles é o mais antigo fóssil de primata já encontrado.

O fóssil foi desenterrado no antigo leito de um lago na província de Hubei, na China, próximo ao curso do rio Yangtzé. Com a descoberta, um evento crucial no processo – quando começou a separação que levou aos atuais macacos e humanos (chamados coletivamente de antropóides) – passa a ser explicado: há, afinal, um elo entre os primeiros primatas, em um ramo, e os pequenos habitantes de árvores conhecidos como társios em outro.

O artigo descrevendo a descoberta foi publicado nesta quarta-feira na revista científica Nature. O fóssil foi descoberto em estratos de rochas sedimentares que foram depositados em um lago antigo há aproximadamente 55 milhões de anos, durante o período inicial do Eoceno, na era Cenozoica. Esse foi um intervalo registrado nas condições globais do efeito estufa, quando grande parte do mundo estava coberto por florestas tropicais e palmeiras cresciam onde hoje fica o Alasca.

Assim como muitos outros fósseis recuperados do estrato de lagos antigos, o esqueleto do Archicebus achilles foi encontrado quando os cientistas dividiram as finas camadas de rocha que continham o fóssil. Como resultado, o esqueleto do Archicebus está agora preservado em duas partes complementares. O fóssil é cerca de 7 milhões de anos mais antigo que as ossadas mais velhas até então conhecidas.

Os pesquisadores estimam que um Archicebus adulto teria pesado ainda menos que o menor primata atual – o lêmure-rato-pigmeu de Madagascar. Os exemplares dessa espécie teriam apenas cerca de 20-30 gramas. Seu calcanhar tinha uma anatomia incomum, similar à humana, com pés parecidos com os de macacos e braços, pernas e dentes semelhantes aos de primatas muito primitivos e olhos “surpreendentemente pequenos”, segundo os pesquisadores.

Fonte: Terra.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Information

This entry was posted on 5 de Junho de 2013 by in Arqueologia, Biologia and tagged , , , , , , , , , , , , , , , , , .

Navegação

%d bloggers like this: