Make It Clear Brasil

Um apoio ao livre pensamento e a um entendimento do mundo baseado em evidências

Um olhar sobre a superfície de Mercúrio

O vídeo acima foi montado e revelado pela NASA e mostra a superfície do planeta Mercúrio de forma sem precedentes. Apesar de a humanidade saber da existência do planeta mais próximo do Sol desde a antiguidade, a própria proximidade com o astro-rei dificultou a exploração dos seus mistérios por parte dos cientistas.

Este vídeo baseia-se em imagens feitas pela sonda Messenger, o primeiro veículo espacial a orbitar o planeta. Ela possibilitou aos astrônomos um primeiro olhar sobre a geologia de Mercúrio, pois o máximo de informações de que dispúnhamos advinha de um sobrevoo da sonda Mariner, em 1975. A Messenger já tirou 80 mil fotos do planeta (de onde vem a surpreendente qualidade do vídeo, em que cada pixel representa 1 km² da área da superfície) e há planos para que tire mais 80 mil.

O planeta Mercúrio, em imagem composta pela sonda Messenger, NASA.

O planeta Mercúrio, em imagem composta pela sonda Messenger, NASA.

Até pouco tempo, acreditava-se que o planeta não possuía o movimento de rotação, e que um lado dele – que estava permanentemente voltado para o Sol – receberia luz solar eternamente, enquanto o outro estaria congelado e sem luz. Descobriu-se, porém, que o planeta faz dois movimentos de rotação a cada três de translação, o que significa 1,5 rotação a cada ano de Mercúrio.

Abaixo, a descrição das cores que você pode ver assistindo ao vídeo:

“Esta imagem captura ambas as diferenças de composição e as diferenças do tempo pelo qual os materiais têm sido expostos na superfície de Mercúrio. Raios de crateras jovens, dispostos ao redor de crateras de impactos recentes, aparecem em azul claro ou branco. As áreas em azul médio e escuro são uma unidade geológica da crosta de Mercúrio conhecidas como ‘material de baixa refletividade’, que acredita-se ser rico em um mineral escuro e opaco. As áreas em bronze são planícies formadas pela erupção de lava altamente fluida. A grande área circular perto do topo, ao centro, é a bacia de impacto Caloris, cujo interior é preenchido com planícies vulcânicas mais recentes. Os pequenos pontos alaranjados são materiais depositados por erupções vulcânicas explosivas.”

Fonte: io9.com.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Information

This entry was posted on 17 de Junho de 2013 by in Astronomia, Geologia and tagged , , , , , , , , .

Navegação

%d bloggers like this: