Make It Clear Brasil

Um apoio ao livre pensamento e a um entendimento do mundo baseado em evidências

Traduzindo: Atheists on grieving: ‘I offer time and tea’

Bem-vindos! Um dos argumentos mais utilizados por apologistas da religião é o de que ela conforta as pessoas em épocas tristes da vida, nas quais todos precisam de atenção e carinho. Tomemos o luto, por exemplo. A perda de uma pessoa amada traz um vazio emocional difícil de preencher e, de fato, não é ruim pensar que “ela está em um lugar melhor”, ao lado de uma entidade sobrenatural que por todos olha e a todos acolhe.

Entretanto, as pessoas que não possuem uma visão de mundo voltada ao sobrenatural entendem que o fato de algo oferecer auxílio emocional não faz dele uma verdade, e dificilmente veem sentido em palavras religiosas de consolo, além do óbvio fato de que são proferidas por pessoas que realmente se importam e que gostariam de ajudar na superação do luto. Por outro lado, quando as pessoas não afiliadas a qualquer dogma religioso precisam ajudar alguém religioso, sentem a necessidade de oferecer mais do que frases como “vou orar por você”. A resposta, como veremos, está à disposição de todos nós: calor humano.

Apresento-lhes hoje a tradução de um artigo publicado no portal do jornal inglês The Guardian. O texto, de autoria de Dhiya Kuriakose, contém as respostas de pessoas sem religião quando questionadas sobre como oferecer apoio emocional durante o luto.

Ateus sobre o luto: ‘Eu ofereço tempo e chá’
Por Dhiya Kuriakose

O número de “não afiliados religiosamente” está crescendo. Eles nos disseram como oferecem consolo em tempos de luto sem chavões religiosos.

Como você conforta os que estão de luto sem usar Deus? Foto: Made Nagi/EPA

Como você conforta os que estão de luto sem usar Deus? Foto: Made Nagi/EPA

É difícil para qualquer um lidar com o luto. É uma época em que a família e os amigos compartilham palavras de conforto. Mas para os ateus, alguns dos termos mais comuns como “ele/ela está em um lugar melhor” ou “você está nos meus pensamentos e orações” simplesmente não se aplicam. Então, o que eles fazem?

Em artigo recente no The Guardian, Tiffany White falou sobre como oferecer conforto durante tempos de luto é diferente quando se é ateu. Chavões socialmente aceitos, de repente, são irrelevantes. Não há um lugar melhor para ir e nenhuma oração para ofertar.

Tiffany terminou seu artigo dizendo:

Mesmo que eu não estivesse armada com um arsenal de frases esperançosas e otimistas para, com as quais, fazê-la se sentir melhor, eu percebi que ser simplesmente uma amiga carinhosa e compreensiva era mais importante. E não é isso o que realmente importa?

Abrimos a questão sobre como ateus consolam amigos de luto para os leitores do Guardian. Queríamos saber o que os ateus fazem ou dizem quando as pessoas próximas deles precisam de conforto. Eis o que eles nos disseram:

Chris, Reino Unido, 67

Eu ofereço tempo e chá.

Em que situações você fica especialmente ciente de que é ateu?

Minha amada e parceira de 38 anos morreu de repente, recentemente. Estar ciente de que não há vida após a morte significa que a morte é uma coisa definitiva. As pessoas oferecem condolências de inúmeras formas. Eu recebo muitos abraços. Acho a morte mais incompreensível do que nunca e acho estranho estar vivo. Sinto falta dela terrivelmente.

Como você oferece condolências a amigos e familiares de luto?

Ouvindo. Tendo um tempo para conversar ao invés de dar frases feitas. Ofereço tempo e chá.

Você concorda com a declaração de Tiffany?

É o que importa, mas estar estar à disposição sugere que eles devem pedir sua ajuda. É melhor visitá-los em casa ou ao menos telefonar regularmente por um tempo.  Você não precisa de frases prontas ou rostos simpáticos. Preocupe-se em ajudá-los a voltar aos seus próprios eixos ou fique de fora.

Mark Moore, Califórnia, 60

O momento do luto não é sobre quem ajuda, mas quem está de luto.

Em que situações você fica especialmente ciente de que é ateu?

Quando sou abençoado por alguém. Pessoas agradecendo a deus por intervenções médicas. Requisitado a prestar juramento sobre a bíblia. Gente perguntando a qual igreja eu vou.

Como você oferece condolências a amigos e familiares de luto?

Eu me sento com eles em silêncio. Pego alguma coisa para comerem ou beberem. Tomo conta das coisas por eles. Deixo-os falar. Eles estão presos ao que aconteceu com eles. Eu não sou um protagonista na situação, sou do elenco de apoio, talvez nem isso. Não é incomum que outras pessoas sejam eclipsadas em um grande luto ou dor. É a época de pôr minha atenção sobre outra pessoa e fazer o meu melhor para intuir o que é necessário.

Você concorda com a declaração de Tiffany?

O momento do luto não é sobre quem ajuda, mas quem está de luto. É tempo de se aproximar de alguém, não de formular frases feitas que não tocam na perda.

Donovan Baker, Texas, 45

Eles sabem que eu realmente ajudarei, seja como puder.

Em que situações você fica especialmente ciente de que é ateu?

Na maioria das situações, já que meu ateísmo, ceticismo, raciocínio crítico e humanismo vêm todos juntos.

Como você oferece condolências a amigos e familiares de luto?

Eu ofereço ajuda de verdade ou um ouvido amigo. Eu digo: “Sinto muito que você tenha de lidar com esta perda. Se houver algo que eu possa fazer para ajudar, você deve me falar. Estou aqui por você, mesmo que precise apenas de alguém para ouvir”. Eles sabem que eu realmente ajudarei, seja como puder.

Você concorda com a declaração de Tiffany?

Há muitas coisas que podemos dizer, ou sobre as quais podemos falar, que não têm nada a ver com a vida após a morte e assim por diante.

Randy Hensley, Massachusetts, 48

Estou sempre ciente, nunca consciente, de que sou ateu.

Em que situações você fica especialmente ciente de que é ateu?

Estou sempre ciente, nunca consciente, de que sou ateu. É como estar ciente de que estou vivo.

Como você oferece condolências a amigos e familiares de luto?

Eu aproveito o tempo para falar com a pessoa sobre como ela [quem faleceu] impactou nossas vidas. Se eu a conhecia, conto como ela me impactou; senão, falo em termos de como ela impactou meu amigo ou ente querido. Acho que é rude dar de ombros com algum compromisso banal de orar. Falo de amor e da vida da pessoa, sobre como ela importava e afetou positivamente nossas vidas. Acho que as pessoas querem saber que você se importa. Nos nossos momentos mais escuros, queremos ser seguros.

Você concorda com Tiffany?

Tiffany está totalmente correta. Ser carinhoso e compreensivo é real, orações e palavrório irracional são baratos.

Dorothy Stephens, Canadá, 54

Meu lema é: “Duas mãos trabalhando conquistam mais do que mil fechadas em oração”.

Em que situações você fica especialmente ciente de que é ateia?

Casamentos e funerais, porque tradicionalmente as cerimônias são tão intimamente associadas à igreja. Mesmo os clichés não religiosos são relativos à igreja, como a música de procissão, sempre tocada em um órgão; ou andar pelo corredor [referência ao casamento].

Como você oferece condolências a amigos e familiares de luto?

Eu sempre me ofereço para fazer algo tangível. Normalmente cozinhar uma refeição ou enviar um assado. Algumas vezes, dando recados ou ajudando com preparativos. Digo que a pessoa amada viverá nas nossas memórias e no legado que ele/ela deixou no mundo. Todos sabem que sou ateia, então não esperam orações ou a participação em cerimônias religiosas, apesar de eu frequentá-las por respeito. Mas sabem que podem contar comigo para ajudar.

Você concorda com Tiffany?

Sim, porque um arsenal de frases esperançosas e otimistas é apenas palavras, e palavras são baratas. “Vou rezar por você” é geralmente apenas um jeito de não fazer nada mas soar como se estivesse fazendo.  Meu lema é: “Duas mãos trabalhando conquistam mais do que mil fechadas em oração”.

Chad, Canada, 32

Chavões fornecem uma saída fácil

Em que situações você fica especialmente ciente de que é ateu?

O estado de luto, estando eu, ou outro, envolvido, é certamente uma das principais situações nas quais minha falta de crença na vida além-túmulo é evidenciada. Eu cresci acreditando que aqueles com a crença correta iriam para o céu, e a percepção de que era irracional e cruel crer nisso foi um processo difícil, mas que tem dado mais sentido e valor à vida.

Como você oferece condolências a amigos e familiares de luto?

Se for alguém que eu conheci, fico de luto com eles, passo por todas as emoções, memórias e impressões da pessoa. Se eu não conheço a pessoa, então eu posso oferecer palavras de impacto, tristeza ou conforto, conforme a situação. Com pensamento e carinho, não acho que palavras religiosas façam falta em comparação com os chavões bem-intencionados expressados por outros.

Você concorda com Tiffany?

A declaração de White resume o que é mais importante nos tempos de luto: carinho e compreensão. Muita gente tem grande dificuldade de demonstrá-los para alguém de luto, e a falta de uma relação próxima piora as coisas. Chavões fornecem uma saída fácil, mas quando minha mãe faleceu, eu só queria que as pessoas parassem de insistir tanto. Trazer uma boa memória dela teria sido a melhor coisa que alguém poderia ter feito por mim na época.

Charlotte Stafford, Washington D.C., 24

Cada um sente o luto de maneira diferente, então é preciso se adaptar.

Em que situações você fica especialmente ciente de que é ateia?

Eu nunca me sinto consciente de que sou ateia. Fico ciente disso ocasionalmente porque tenho muitos amigos religiosos, morei em países profundamente religiosos e namorei pessoas religiosas antes. Também sou britânica, e não estou em uma minoria lá; é muito frio para crer em Deus.

Como você oferece condolências a amigos e familiares de luto?

Nunca há um manual de instruções para seguir. Cada um sente o luto de maneira diferente, então é preciso se adaptar. A coisa mais importante é estar presente. Disponível para um abraço, choro, descontrole ou raiva. Por vezes, as pessoas não querem que você diga nada, só querem que as ouça. A morte deixa uma dor de cabeça que ninguém pode curar.

Você concorda com Tiffany?

Uma ateia não pode mentir e pronunciar as palavras imortais: “Ela/ele estará nas minhas orações”. Isto seria falso e, portanto, passaria por simpatia insincera. Ser compreensivo e solidário é tudo que você precisa fazer.

O que você acha? Está tudo bem oferecer conforto religioso às pessoas que são elas mesmas religiosas? Comente.

Fonte: The Guardian

Advertisements

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Information

This entry was posted on 1 de Outubro de 2013 by in Ateísmo and tagged , , , .

Navegação

%d bloggers like this: