Make It Clear Brasil

Um apoio ao livre pensamento e a um entendimento do mundo baseado em evidências

Uma em cada 200 mães americanas “era virgem quando deu à luz”

A edição de Natal do BMJ revela que, das mulheres que fizeram parte do estudo, 45 (0,5%) relataram uma gravidez virgem "não relacionada ao uso de tecnologias de reprodução assistida". Foto: Ghetty Images

A edição de Natal do BMJ revela que, das mulheres que fizeram parte do estudo, 45 (0,5%) relataram uma gravidez virgem “não relacionada ao uso de tecnologias de reprodução assistida”. Foto: Ghetty Images

Foram divulgados no British Medical Journal os incríveis resultados de um estudo — de longo prazo — de saúde reprodutiva. A pesquisa revelou que uma em cada duzentas mulheres dos Estados Unidos alega ter dado à luz sem jamais ter tido relações sexuais. As descobertas se basearam no acompanhamento de 7.870 mulheres e garotas com idades entre 15 e 28 anos, como parte do Estudo Longitudinal Nacional da Saúde do Adolescente, realizado entre 1995 e 2009.

A edição de Natal do BMJ informa que, das mulheres que fizeram parte do estudo, 45 (0,5%) relataram, no mínimo, uma gravidez “não relacionada ao uso de tecnologias de reprodução assistida” enquanto eram virgens. Em suma, elas alegavam ter dado à luz na ausência de relações sexuais vaginais ou de fertilização in vitro (FIV).

O artigo do periódico britânico observa que o nascimento a partir de uma virgem, ou partenogênese (do grego: parthenos, virgem + genesis, nascimento), pode decorrer da “reprodução assexuada, na qual o crescimento e o desenvolvimento do embrião ocorrem sem fertilização”, o que não é o caso humano. Além disso, o ensaio afirma que, bem como na história do nascimento virginal de Jesus a partir da Virgem Maria, a partenogênese aparece frequentemente na cultura popular, “incluindo o blockbuster Jurassic Park, de [Steven] Spielberg, e o episódio ‘Parceiros no Crime’, do Dr. Who, de 2008″.

Para o estudo das supostas gravidezes virgens, os pesquisadores da Universidade da Carolina do Norte em Chapel Hill analisaram dados de milhares de adolescentes e mulheres jovens, que tomaram parte do estudo de longo prazo.

Descobriu-se que as garotas que tinham ficado grávidas, apesar de alegarem nunca terem feito sexo antes da concepção, compartilhavam algumas características em comum. Vamos a elas?

Trinta e um por cento (31%) das garotas haviam assinado o chamado “pacto“, ou “promessa“, de castidade, por meio do qual elas juraram — normalmente, por razões religiosas — não fazer sexo. Quinze por cento (15%) das não virgens que engravidaram também disseram ter assinado tal promessa.

As 45 mulheres que se declararam virgens e engravidaram, e as 36 que deram à luz também estavam mais propensas (do que as não virgens) a dizer que seus pais nunca, ou raramente, conversaram com elas sobre sexo e métodos contraceptivos.

Cerca de 28% dos pais das “mães virgens” (que também foram entrevistados) indicaram que não tinham conhecimento o bastante para falar sobre sexo e contracepção com suas filhas, comparados com cinco por cento (5%) dos pais de garotas que engravidaram e disseram ter se relacionado sexualmente.

Os autores do estudo, intitulado “Com uma (mãe) virgem” [Like a virgin (mother)], dizem que tais alegações cientificamente impossíveis demonstram que os pesquisadores devem ser cautelosos na interpretação de comportamentos comunicados pelas próprias pessoas. A falibilidade da memória, as crenças e os desejos podem fazer com que as pessoas se equivoquem naquilo que dizem aos cientistas.

Concluem os pesquisadores que: “A declaração de datas para a gravidez e a iniciação sexual consistentes com a gravidez virgem esteve associada a costumes culturais que valorizam muito a virgindade, especificamente à assinatura de pactos de castidade; e ao apoio dos pais a itens indicativos de níveis mais baixos de comunicação sobre sexo e métodos contraceptivos”.

Fontes: The Independent, Medical Xpress

Advertisements

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Information

This entry was posted on 18 de Dezembro de 2013 by in Medicina and tagged , , , , , , .

Navegação

%d bloggers like this: